ABRIL 2019

GEOMETRIA POÉTICA

 


 

Em abril de 2019, a dpot fez sua primeira participação na Semana de Design de Milão. Com curadoria de Baba Vacaro, cenografia de Ricardo Bello Dias e lighting design de Carlos Fortes, a instalação GEOMETRIA POÉTICA ocupou um dos 16 galpões da Estação Central de Milão, sob os trilhos da ferrovia, na Via Ferrante Aporti, no âmbito dos eventos do Ventura Centrale.

 

Destaque na imprensa internacional, a instalação concebida pela dpot em parceria com a galeria suíça Dip Contemporary Art e o Arquivo Geraldo de Barros foi visitada por mais de 18 mil pessoas de várias partes do mundo. Trabalhos selecionados dos mestres GERALDO DE BARROS, LINA BO BARDI e SERGIO BERNARDES, juntamente com obras dos designers contemporâneos CLAUDIA MOREIRA SALLES, FERNANDO PRADO, MARCELO FERRAZ E MARCELO SUZUKI, estiveram reunidos em uma instalação etérea, que revisitou as ideias de leveza, velocidade, exatidão, visibilidade, multiplicidade e consistência descritas por Italo Calvino em “As Cidades Invisíveis”.

 

Considerado pela imprensa internacional um dos espaços mais dinâmicos do Fuorisalone 2019, o Ventura Centrale reuniu instalações de designers e marcas internacionais que resultaram em “um conjunto de design inesperadamente fantástico”, como definiu a revista Elle Decor Itália. Para a publicação, o Ventura Centrale “revelou-se o verdadeiro espírito do Fuorisalone Milão”, um dos mais importantes festivais de design do mundo.

 

GEOMETRIA POÉTICA

 

Para compor a instalação multissensorial assinada pela dpot, foi produzido um vídeo a partir de imagens de um dos trabalhos mais representativos da obra de Geraldo de Barros, as Fotoformas, e uma música original de Dante Ozzetti, Lundu do Marajó. A expografia  baseou-se numa estrutura geométrica e translúcida, onde os produtos, a luz, a sombra e as imagens projetadas coexistiram e se sobrepuseram. A ideia foi valorizar e dar voz a cada objeto, abrindo possibilidades para o surgimento de diferentes caminhos visuais e múltiplas interpretações.  

 

Essa perspectiva tem muito em comum com o pensamento de Geraldo de Barros (1923-1998), um dos expoentes da arte brasileira. Precursor da arte concreta, pioneiro da fotografia abstrata e um dos principais designers de mobiliário entre meados da década de 1950 e o final dos anos 1980, é considerado também um dos pioneiros do design brasileiro. Ele aplicou a experiência inovadora de independência e inconformismo que já caracterizavam sua trajetória artística no universo do mobiliário. Do mestre, a dpot levou a Milão peças fundamentais em seu percurso como designer, como as CADEIRAS M110 e MTF600 e a ESTANTE MF 710. 

 

“Um dos mais inovadores aspectos da criação de Geraldo é a ideia de modulação, ou seja, produzir partes muito simples, que poderiam ser facilmente multiplicadas e assumir diferentes funções para atingir beleza e utilidade empregando o mínimo de recursos possível. Todas as peças reeditadas pela dpot são extremamente representativas do pensamento industrial de Geraldo de Barros, em que a beleza é consequência da função”, explica a designer Baba Vacaro, diretora de criação da dpot e curadora da instalação.

 

Para celebrar o centenário de nascimento de Sergio Bernardes (1919-2002), a dpot exibiu em Milão a poltrona Rampa, editada pela marca em 2012 e o único produto do arquiteto disponível no mercado. Provavelmente o maior exemplo da desenvoltura com que um arquiteto pode transitar entre projetos de diferentes escalas, Bernardes constantemente cruzava a fronteira imaginária entre a arquitetura e o design, desenhando desde pequenos detalhes até estruturas de grande complexidade, de cadeiras a aviões, sempre de uma forma engenhosa e experimental.

 

Em GEOMETRIA POÉTICA, a dpot apresentou também a peça que promoveu a introdução da arquiteta LINA BO BARDI a uma nova perspectiva no universo do design, colocando a interação humana no centro de sua criação para transformar a forma como as pessoas se sentavam. Modesta no formato e revolucionária até os dias de hoje, a POLTRONA BARDI’S BOWL – criada em 1951 e produzida industrialmente pela Arper em 2014 – equilibra os universos da fabricação industrial e do objeto individualizado. Uma concha em formato de meia esfera pousada em uma estrutura metálica representa o espírito do design de Lina e também, na instalação, nossa busca pela essência e universalidade.

 

A parceria de LINA BO BARDI com os arquitetos MARCELO SUZUKI e MARCELO FERRAZ foi representada pela série GIRAFA, composta de cadeiras e banquinhos de madeira. A dpot mostrou ainda a geometria pura da CADEIRA MARIA, criada pelo premiado arquiteto MARCELO FERRAZ, que trabalhou com LINA por um longo período.

 

Encerrando o círculo não hierárquico de ideias de GEOMETRIA POÉTICA, a dpot exibiu emMilão obras de dois expoentes do design contemporâneo, CLAUDIA MOREIRA SALLES e FERNANDO PRADO, que têm em comuma busca por soluções criativas – que somada às cores e aos veios de madeiras brasileiras de diferentes espécies -, resultam em criações que reúnem beleza e funcionalidade utilizando o mínimo de recursos. De CLAUDIA MOREIRA SALLES, a dpot levou à Itália o premiado MANCEBO STAND BY. Já o trabalho de FERNANDO PRADO foi representado pelo CARRINHO BIRITA, lançado com exclusividade pela marca em 2018.

 

GEOMETRIA POÉTICA

CRÉDITOS | AGRADECIMENTOS

Curadoria geral | Baba Vacaro

Curadoria (arte) | DIP contemporary art

Set design | Ricardo Bello Dias

Lighting design | Estúdio Carlos Fortes

Filme | Carlos Pedreañez (Oco Visual)

Música | Dante Ozzetti 

Produção | Michela Negrini

Montagem | Seipuntosei

Catálogo e folder | Edu Hirama

Agradecimentos | Archive Geraldo de Barros, Arper e Flos 

Fotos | Andrés Otero